O que é o globale?

globale é um festival que propõe, através da exibição de filmes de ficção e documentário, construir momentos de debate com um público amplo sobre temas relacionados aos processos de globalização. É um festival sem fins lucrativos, não competitivo e que, portanto, não entrega prêmios nem cobra taxas de inscrição. globale nasceu em Berlim (Alemanha), em 2003, e segue sendo realizado até hoje com o propósito, inclusive, de que as sedes do festival sigam multiplicando-se, de forma a criar uma rede.

Atualmente, o globale acontece em três cidades alemãs, em Montevidéu (Uruguai), desde 2009, e também em Varsóvia (Polônia) desde 2010. Em 2011, o festival chegou a Bogotá (Colômbia) e ao Rio de Janeiro.

Os comitês organizadores em cada cidade-sede são compostos por um grupo heterogêneo de pessoas que colaboram de forma solidária na organização do festival. O grupo tem uma gestão horizontal e o compromisso de tomar suas decisões por consenso.

Se você também quiser colaborar ou saber mais sobre a edição carioca do festival globale, fale com a gente: globalerio@gmail.com

domingo, 20 de novembro de 2011

Diálogos Com O Cinema


Ontem, 19/11, de manhã fomos ao Ponto Cine participar do projeto Diálogos Com O Cinema, adoramos!

Infelizmente a cópia legendada de Mamá Chocó (Diana Kuellar, Colômbia, 2010) não ficou pronta. Substituímos por A Terra Da Lua Partida (The Broken Moon), de Marcos Negrão e Andre Rangel (Brasil, 2010), que emocionou.

Também exibimos Poro: Intervenções Urbanas E Ações Efêmeras, de Brígida Campbell, Marcelo Terça-Nada e Michel Brasil (Brasil, 2009); Salvem Os Ricos, do Coletivo Heróis do Cotidiano (Brasil, 2010) e Na Área (On Side), de Jonas Amarante (Brasil / Reino Unido, 2011).

O debate foi ótimo e, pela participação do público, parece que os filmes agradaram e provocaram boas reflexões. O professor Helion Povoa Neto, do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Migratórios - NIEM/IPPUR-UFRJ e o Herói do Cotidiano Marcio Dias foram os convidados da mesa.

Vimos que os espectadores saíram sorridentes, querendo nos cumprimentar e parabenizar pela sessão. O prazer foi nosso!

Fomos muito bem recebidos pela equipe do Ponto Cine, que também ficou contente com o evento. Sonhamos juntos mais ações para a segunda edição do globale Rio. Viva!

sábado, 19 de novembro de 2011

Onde?

O Festival globale Rio 2011 será realizado entre os dias 18 e 26 de novembro de 2011, com exibições nos seguintes locais:

CENTRO CULTURAL JUSTIÇA FEDERAL

Av. Rio Branco, 241 – Centro
Ingresso: R$ 0.50 (Cinquenta centavos?! É, isso mesmo!)

PONTO CINE
Guadalupe Shopping
Estrada do Camboatá, 2.300 / 1º Piso - Guadalupe
Entrada Franca

ESPAÇO TROQUE UMA ARMA POR UM PINCEL
Final da Rua do Valão s/n - Rocinha
Entrada Franca

BIBLIOTECA PARQUE de Manguinhos – Sala Meu Bairro
Av. Dom Helder Câmara, 1.184 - Manguinhos
Entrada Franca

LONA CULTURAL SERGINHO MERITI
Praça dos Três Poderes, s/n - São João de Meriti
Entrada Franca

LOJA DA ROÇA
R. Nova Jerusalém, 590 - Timbau/ Maré
Entrada Franca

ESPAÇO CINEMA NOSSO
R.do Rezende, 80 - Lapa
Ingresso: R$ 5,00 (cinco reais)

domingo, 13 de novembro de 2011

Confira a Programação do Festival globale Rio 2011

Os interessados em acompanhar as atrações do Festival globale Rio 2011 podem se preparar. A programação do evento está disponível, repleta de filmes, apresentações artísticas, debates e uma grande maratona de encerramento! Foram 49 filmes selecionados, divididos em 18 sessões, que irão trazer ao espectador reflexões e uma intensa troca de ideias sobre temas como meio ambiente, questões étnicas, exclusão social, projetos independentes e barreiras visíveis/ invisíveis.

O Festival globale Rio 2011 será realizado entre os dias 18 e 26 de novembro, com exibições nos seguintes locais: Centro Cultural Justiça Federal (Centro), Cinema Nosso (Lapa), Ponto Cine (Guadalupe Shopping), Lona Cultural Serginho Meriti (São João de Meriti), Biblioteca Parque (Manguinhos), Espaço Troque uma Arma por um Pincel (Rocinha) e Loja da Roça (Complexo da Maré).

Para visualizar a programação completa, clique aqui, ou na imagem abaixo. Contamos com sua presença!

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

globale no Ocupa Rio
















Saiu o nosso cartaz e já ocupamos um espacinho no acampamento do Ocupa Rio - Cinelândia.
Semana que vem fazemos dois eventos lá pra galera:
- Sexta, 18/11, às 17h30, tem a performance B-T-G-P-T-1-4-0-5-9-CÂMBIO do Teatro de Operações, inspirada na obra do geógrafo Milton Santos.
- Terça, 22/11, 20h, tem Cine Ataque!

Preparem-se!

terça-feira, 8 de novembro de 2011

IV Seminário do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Migratórios

IV Seminário do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Migratórios - Caminhos da Migração: Decisões e Tensões.

De 9 a 11 de novembro de 2011.

Local: Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - campus Maracanã - Auditório 91, Bloco F, 9º. Andar - Rio de Janeiro, RJ, Brasil

O Núcleo Interdisciplinar de Estudos Migratórios, fundado em 2000, vem ao longo dos anos se tornando referência para aqueles envolvidos no tema da migração que reconhecem a importância da perspectiva interdisciplinar. Sediado no Rio de Janeiro, centraliza uma rede, no Brasil e no mundo, de pesquisadores, estudantes, professores, ativistas e interessados no tema.

Após realizar seminários em 2002, 2005 e 2008, o NIEM organizará, de 9 a 11 de novembro de 2011, o seu IV Seminário, colocando em questão os dilemas da trajetória dos migrantes, entre tomadas de decisão, dificuldades e restrições; dos que pesquisam essa realidade e dos que se posicionam em defesa dos seus direitos.

Entre os diversos focos de interesse presentes no seminário, estão as políticas migratórias, as formas de violência contra o migrante, as visões criminalizantes da migração e as diversas dimensões da integração social nas sociedades de acolhida. Estes serão temas de debate nas mesas redondas, que contarão com expositores convidados.

Clique aqui para saber sobre inscrições e programação!

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Filmes selecionados para o Festival globale Rio 2011

É com grande alegria que o Festival globale Rio 2011 divulga a lista dos filmes selecionados para sua primeira edição. Com um significativo número de inscrições, agradecemos a participação de todos que enviaram suas obras. Além dos inscritos, o público também poderá conferir os filmes convidados.

Durante o período de curadoria, assistimos a belos trabalhos, que comoveram por seu engajamento e mobilização ou impressionaram pela estética e sensibilidade. Todos foram vistos criteriosamente pelo coletivo organizador, que buscou aproximação com os cinco eixos temáticos: Cidade Global, Muros e Furos, Territorialidades Meio Ambiente e Conflito, Ações Midiáticas Contra-Hegemônicas e Terrorismo Poético. Gostaríamos de deixar claro que limitações técnicas/ orçamentárias, ineditismo, formato ou gênero, não foram restrições para esta seleção, uma vez que o mais importante para o Festival globale Rio 2011 é abrir um espaço democrático, que promova reflexão e debates críticos para a sociedade. Aproveitamos para convidar a todos os diretores – selecionados ou não – a comparecerem e prestigiarem o evento. Teremos imenso prazer em recebê-los, em qualquer uma de nossas salas de exibição.

O Festival globale Rio 2011 será realizado entre os dias 18 e 26 de novembro de 2011, com exibições nos seguintes locais: Centro Cultura Justiça Federal (Centro), Cinema Nosso (Lapa), Ponto Cine (Guadalupe Shopping), Lona Cultural (São João de Meriti), Biblioteca Parque (Manguinhos), Espaço Troque uma Arma por um Pincel (Rocinha) e Loja da Roça (Complexo da Maré). Em breve, estaremos divulgando toda a nossa programação com as datas e horários das sessões.

Apresentamos abaixo a lista dos filmes selecionados. Desejamos sucesso a todos os diretores e equipes que colaboraram com a realização do evento!

Lista de filmes selecionados para o Festival globale Rio 2011:

- A terra da lua partida, de Marcos Negrão e André Rangel. Brasil, 2010, 52min.

- Aperreio, de Doty Luz e Humberto Capucci. Brasil, 2010, 20min.

- Arte eleitoral gratuita, de IZP. Brasil, 2010, 2min.

- Brad, uma noite a mais nas barricadas, de Miguel Castro. Brasil, 2007, 55min.

- Canções de resistência guarani, de Ricardo Sá. Brasil, 2011, 21min.

- Da margem ao centro: o outro lado do desenvolvimento, de Márcia Shoo. Brasil, 2009, 34min.

- Dependente, de Marco Keller. Alemanha, 2010, 85min.

- É tudo mentira, de Jaco Galdino. Brasil, 2007, 10min.

- Ecobarreiras, de Gustavo Pelizzon; Lucas Zappa e Márcio Isensee. Brasil, 2010, 7min.

- Encontro com Milton Santos ou o Mundo global visto pelo lado de cá, de Silvio Tendler. Brasil, 2006, 89min.

- Heróis do cotidiano, de Antônio Pessoa. Brasil, 2010, 15min.

- Jardim Beleléu, de Ari Cândido Fernandes. Brasil, 2009, 15min.

- Keralux, de Juliana Cavalcanti. Brasil, 2011, 16min.

- Lá e cá, de Clarissa Guarilha. Brasil, 2007, 22min.

- Luto como mãe, de Luis Carlos Nascimento. Brasil, 2009, 70min.

- Mama Chocó, de Diana Kuellar. Colômbia, 2010, 58min.

- Monjubá quilombos, de Lúcia Araújo. Brasil, 2005, 30min.

- Mulheres e mudanças climáticas, de Flavio Pazos. Uruguai, 2010, 10min.

- Muro da vergonha, de Bloco Se Benze que Dá. Brasil, 2010, 5min30.

- Na área, de Jonas Amarante. Reino Unido, 2011, 15min.

- Não vale, de Silvestro Montanaro. Brasil, 2010, 75min.

- Nem um minuto de silêncio, de Brigada Audiovisual da Via Campesina. Brasil, 2008, 23min.

- Nossa água: o movimento que move as pessoas, de Marcilene Maia. Brasil, 2011, 8min.

- O dia de Salma, de Maria Rita Nepomuceno. Brasil / Itália / França, 2010, 7min.

- PAC Manguinhos: promessa, desconfiança e esperança, de Fabiana Melo Sousa. Brasil, 2010, 40min.

- Poro: intervenções urbanas e ações efêmeras, de Brígida Campbell, Marcelo Terça-Nada e Michel Brasil. Brasil, 2009, 20min.

- Povo marcado - A voz da mulher encarcerada, de Werinton Kermes e Luciana Lopez. Brasi, 2008, 30min.

- Proibido parar, de Christian Caselli. Brasil, 2010, 6min30.

- Rádio Interofônica: Ação papos ambulantes em Recife, de Mariana Novaes e Marcelo Wasem. Brasil, 2010, 6min50.

- Remoções: 'A expressão do mais perverso da nossa sociedade', de WITNESS.org, Brasil/ EUA, 2010, 6min30.

- Remoções: 'Como arrancar uma planta com raiz e tudo', de WITNESS.org, Brasil / EUA, 2010, 4min45.

- Salvem os ricos, de Coletivo Heróis do Cotidiano. Brasil, 2010, 9min25.

- São Jorge e seus dragões, de Sandro José da Silva. Brasil, 2011, 21min.

- Sucata de plástico, de Bruno Xavier. Brasil, 2011, 7min.

- Sucumbios, terra sem mal, de Arturo Hortas, Espanha, 2011, 29min58.

- Teclópolis, de Javier Mrad e Cancan Club. Argentina, 2009, 12min.

- Terraplana, de Ludmila Curi. Brasil, 2009, 15min.

- Terras indígenas não são para obras da copa nem olimpíadas, de WITNESS.org. Brasil / EUA, 2010, 4min.

- Territórios de sacrifício ao Deus do capital: O caso da "Ilha da Madeira", de Fabiana Melo Sousa. Brasil, 2010, 20min.

- Tucurui – A saga de um povo, de Silvia Alvarez. Brasil, 2010, 16min.

- Um domingo no MAM, de Letícia Simões. Brasil, 2011, 20min.

- Vídeo informes CMI La PLata, de Indymedia La Plata / Lanzallamas. Argentina / Espanha, 2010, 10min.

- Vozes da missão - Favela do metrô, de WITNESS.org e Moradores da Favela do Metrô. Brasil / EUA, 2011, 5min.

- Vozes da missão - Morro da Providência, de WITNESS.org e Moradores do Morro da Providência. Brasil / EUA, 2011, 4min21.

- Vozes da missão – Restinga, de WITNESS.org e Moradores da Comunidade da Restinga. Brasil / EUA, 2011, 4min.

- Vozes da missão - Vila Recreio 2, de WITNESS.org e Moradores da Vila Recreio 2. Brasil / EUA, 2011, 5min.

- Vozes do clima, de FASE. Brasil, 2009, 18min.

- WITNESS no Rio: Uso do vídeo contra as remoções forçadas, de WITNESS.org. Brasil / EUA, 2011, 4min.

- Xingu: Porque não queremos Belo Monte, de Olhear electromatto. Brasil, 2010, 18min.

sábado, 24 de setembro de 2011

Bondinho a caminho da reunião...

Sábado, 24/09/11,
Eu e Rapha estamos felizes a caminho de uma reunião importante do coletivo globale Rio, vamos fechar a programação. E olha só o que a gente encontra no caminho:




Todo dia tem manifestação na Cidade Global:

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Segundo día del festival globale en Bogotá!








El Festival Globale Bogotá, Miradas críticas y emancipadoras, en su primera versión colombiana, se realizará del 12 al 17 de septiembre de 2011 en la Carrera 15 Nº 35 – 18, barrio Teusaquillo, sede del sindicato SINALTRAINAL, Bogotá, Colombia. Todos los días en los horarios de 4 pm, 6 pm y 8 pm. ENTRADA GRATUITA

VER PROGRAMACIÓN: http://globalebogota.wordpress.com/

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

A globalização e as verdades

Essa semana, quem curtiu a nossa página no Facebook assistiu ao vídeo em que a contadora de histórias nigeriana Chimamanda Adichie fala sobre "o perigo de uma única história".

A fala tá dividida em 2 partes no Youtube:
Parte 1
Parte 2

A gente ficou pensando, pensando... Até as histórias sobre nós mesmos não são únicas. E, mais uma vez, Stuart Hall acrescentou "lenha" ao nosso debate.

No artigo A Centralidade da Cultura: notas sobre as revoluções culturais de nosso tempo, o jamaicano radicado na Inglaterra, destaca um fragmento que mostra o quanto a globalização problematiza as nossas identidades culturais, evidenciando as múltiplas narrativas que existem sobre nós e como elas se relacionam (colaborações e disputas de poder):

"Num artigo do The Guardian, Martin Jacques discutiu as imagens contrastantes da Inglaterra 'multicultural' e 'medieval' e das complexas linhagens históricas por detrás de cada uma delas que, segundo ele, apareciam recorrentemente nos discursos políticos dos dois maiores partidos da eleição geral de 1997:

'Há duas histórias da Grã-Bretanha. Uma fala dos radicais criativos; a outra, dos conservadores e respeitados. Ambas existem na psique nacional, ambas são partes autênticas do que somos, mas elas levam a compreensões distintas, uma oficial e convencional, a outra, não oficial e subterrânea. A cultura oficial recebe calorosamente Andrew Lloyd Webber, Cilla Black e Cliff Richard como autênticos ingleses: trata nossos criativos anarquistas tais como [John] Lennon e [Vivienne] Westwood como fenômenos, como excêntricos, observando voyeuristicamente suas vidas e atividades ao invés de considerá-las como um de nós.

De tempos em tempos, há um renascimento da energia cultural, sempre partindo da periferia ao centro. Este é um dos momentos. Na capital, isto se faz com a emergência de Londres como cidade global, talvez a mais global em todo o mundo, certamente a mais global da Europa. Londres está hoje mais aberta que nunca ao caleidoscópio de influências globais, da comida à música, das idéias aos negócios.


E acima de todas as pessoas: as minorias étnicas agora figuram em nossa vida cultural como nunca. Muitos dos maiores designers da London Fashion Week pertencem às minorias étnicas. Os imigrantes são frequentemente uma fonte de excepcional energia cultural. Nosso radicalismo cultural tem muito a ver com o fato de sermos tanto uma ilha quanto de sermos culturalmente permeáveis.
Pode-se pensar que esta explosão de energia chamaria a atenção de nossos políticos. De fato, John Major orgulhosamente vangloria-se da nova vibração londrina, e o sucesso de Tony Blair é em parte devido ao Britpop. Entretanto, para Major e Blair, o discurso agregador não apoiou-se nas questões raciais da cultura, mas na Inglaterra média, no modelo do conservadorismo respeitável. Em 1964, Harold Wilson fez mais que um aceno aos Beatles ... Blair e major preferiram seguir pelo caminho da cultura britânica.'" (Jacques apud Hall, pp.24-25)

Ressaltando o fato de ter sido escrito por um inglês, Martin Jacques, sobre uma Londres em 1997, o texto também é interessante para a gente pensar nos recentes acontecimentos na cidade global mais Cidade Global do Reino Unido.



Ref.: HALL, Stuart. A Centralidade da Cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. In: Educação & Realidade. 1997, vol. 22, nº02. pp.15-46.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Inscrições encerram no sábado, 30/07!

O festival globale Rio se interessa por mostrar aspectos da globalização que geralmente são ignorados ou distorcidos pelos meios de comunicação hegemônicos. A idéia é gerar espaços de intercâmbio e reflexão. Se você tem um olhar crítico sobre a globalização, inscreva seu filme até dia 30/07/2011!
Veja a convocatória e a ficha de inscrição em: https://n-1.cc/pg/file/owner/globalerio
Até breve!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Últimos dias para inscrições do Festival globale Rio

Realizadores têm até o dia 30 de julho, para inscrever seus filmes no globale Rio, festival de cinema que promete esquentar o debate sobre a globalização.

Quem tem um olhar crítico sobre os processos de globalização tem até o sábado, 30 de julho, para se inscrever na primeira edição do festival globale na cidade do Rio de Janeiro. Os filmes podem ser de gênero e formato livres e devem se enquadrar em um dos cinco eixos temáticos propostos para o ano de 2011.

Com objetivo de mostrar aspectos da realidade que geralmente são ignorados ou distorcidos pelos meios de comunicação hegemônicos, o globale Rio pretende gerar espaços de intercâmbio, reflexão e debates críticos sobre o processo de globalização e identificar seus impactos e suas conseqüências em todo o mundo.

COMO SE INSCREVER:

O globale Rio possui caráter não-competitivo e não cobra taxa de inscrição.
Os interessados devem ler a convocatória e enviar a ficha de inscrição preenchida junto a uma cópia em DVD do filme finalizado no seguinte endereço:
Rua do Riachuelo, 161/ 615
Centro – Rio de Janeiro/ RJ
CEP 20230-010.

Os filmes devem se enquadrar em um dos seguintes eixos:

A. Ações Midiáticas Contra Hegemônicas: iniciativas que apresentam um ponto de vista alternativo em relação às grandes mídias. Lutas populares, registros de ações invisibilizadas ou omitidas pela imprensa, registros de iniciativas midiáticas comunitárias livres e/ou militantes pela luta pelo direito humano à comunicação.

B. Cidade Global: aborda as cidades que buscam tornar-se referencia para o capital internacional e que sofrem transformações para abrigar os empreendimentos dos megaeventos internacionais. Quais são os impactos sobre as populações desses lugares e suas adjacências? Quem são os principais beneficiados com esses processos?

C. Muros e Furos: sobre as barreiras construídas para impedir o fluxo de pessoas entre países ou regiões de conflito de qualquer natureza (militar, econômico, religioso etc.). Complexos sistemas legais - e ilegais – para imigração, os muros também são barreiras invisíveis. No entanto, sempre há alguém disposto a furar esses esquemas com muita coragem e criatividade.

D. Territorialidades, Meio ambiente e Conflito: o avanço da fronteira de exploração de recursos naturais produz uma série de alterações nas formas de ocupação e uso do espaço. Em cada país, há múltiplas respostas: populações indígenas, comunidades quilombolas, pequenos produtores rurais, pescadores e extrativistas reafirmam e recriam suas identidades, ressignificando seus territórios e colocando em debate o modelo de produção e consumo.

E. Terrorismo Poético: são formas e expressões de mobilização e difusão de arte, não-violentas, descategorizadas de qualquer estrutura convencional de consumo. O ato induz reflexão sobre todo o processo de integração econômica, cultural, social e política ocorrida com a globalização. Com isso, artistas podem maximizar a noção de liberdade e provocar mudanças de paradigma.

O festival será realizado entre os dias 18 a 26 de novembro de 2011 e ocorrerá em diferentes pontos do Rio de Janeiro como salas de cinema, instituições de ensino, pontos de cultura e centros sociais. Os parceiros já confirmados são: Espaço Cinema Nosso (Lapa), Centro Federal da Justiça Federal (Centro) e o Ponto Cine (Guadalupe).

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Últimos dias pra se inscrever no globale Berlim: até 30 de junho!

globale Film Festival Berlin 2011

When
The 7th edition of globale Film Festival takes place in Berlin, Germany 3-9 November 2011. Film submissions are accepted until June 30th, 2011.

What
We invite filmmakers who use cinema to foreground views, topics and people that market-driven and state-owned media keeps invisible. Past festivals films mainly were concerned with precarious lives, migration, media & representation, genetic engineering, gentrification, working conditions, capitalism and crisis. In addition we usually focus on one or two countries. But, globale is neither restricted to those topics nor to documentary films. So feel free to just give it a try!

Where to
Please submit your film on DVD to:
globale Film Festival | c/o Georg von Rauch-Haus | Mariannenplatz 1A | 10997 Berlin
Please download the submission form from globale Berlin's website and send it next to some stills from the film either by seperate CD or via email.
For further information have a look on the website: www.globale-filmfestival.org or contact via email: info@globale-filmfestival.org

Muros e Furos: "The Rest in the West (O Resto no Ocidente)" de S. Hall


Como é essa dinâmica de Muros e Furos? Vamos tentar entender um pouco a partir desse trechinho do capítulo 5, do livro A Identidade Cultural na Pós-Modernidade do jamaicano Stuart Hall:
"(...) c) A globalização retém alguns aspectos da dominação global ocidental, mas as identidades culturais estão, em toda parte, sendo relativizadas pelo impacto da compressão espaço-tempo.

Talvez o exemplo mais impressionante desse terceiro ponto seja o fenômeno da migração. Após a Segunda Guerra Mundial, as potências européias descolonizadoras pensaram que podiam simplesmente cair fora de suas esferas coloniais de influência, deixando as conseqüências do imperialismo atrás delas. Mas a interdependência global agora atua em ambos os sentidos. O movimento para fora (de mercadorias, de imagens, de estilos ocidentais e identidades consumistas) tem uma correspondência num enorme movimento de pessoas das periferias para o centro, num dos períodos mais longos e sustentados de migração 'não planejada' da história recente. Impulsionadas pela pobreza, pela seca, pela fome, pelo subdesenvolvimento econômico e por colheitas fracassadas, pela guerra civil e pelos distúrbios políticos, pelo conflito regional e pelas mudanças arbitrárias de regimes políticos, pela dívida externa acumulada de seus governos para com os bancos ocidentais, as pessoas mais pobres do globo, em grande número, acabam por acreditar na 'mensagem' do consumismo global e se mudam para os locais de onde vêm os 'bens' e onde as chances de sobrevivência são maiores. Na era das comunicações globais, o Ocidente está situado apenas à distância de uma passagem aérea."

Assim, segundo o autor, o "resto" do mundo fura os muros do Ocidente.

Ref.: HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p.80-82.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Festival globale Rio fecha nova parceria, é adiado para Novembro e inscrições são prorrogadas.

PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO FESTIVAL MUDA PARA 18 A 26 DE NOVEMBRO. INSCRIÇÕES ENCERRAM-SE NO DIA 31 DE JULHO.

Uma recente parceria com o Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF) ampliou a rede de associados do globale Rio e alterou a data de início do festival. Estimado primeiramente para o final de agosto, o globale Rio agora terá sua abertura no dia 18 de novembro, na sala de cinema do CCJF. A programação – recheada de filmes e debates – seguirá até o encerramento do festival, no dia 26 de novembro. As atrações do globale Rio também acontecerão no Espaço Cinema Nosso, Ponto Cine em Guadalupe e também em São João de Meriti, em local a ser definido.

Não perca mais tempo! Esta é uma oportunidade para você que ainda não inscreveu seu filme: o prazo foi estendido até o dia 31 de julho.

Nova convocatória em português, clique aqui.
Click here to download our new Call for Entries.
Haga clic aquí para descargar la convocatoria de filmaciones.

Para baixar a ficha de inscrição em português, clique aqui.
To access the registration form in English, click here.

Boa sorte a todos!

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Problemas para baixar nossos arquivos?

Seus problemas acabaram, rs.

Novos links sem complicação:
Para baixar a convocatória em português, clique aqui.
Click here to download our Call for Entries.
Haga clic aquí para descargar la convocatoria de filmaciones.

Para baixar a ficha de inscrição em português, clique aqui.
To access the registration form in English, click here.

Boa sorte a todos! Até logo!!!

Hora de Sintonizar

10h40, globaleiros! Hora de sintonizar, Rádio MEC AM 800 kHz, no Rio de Janeiro!!!
Nossa entrevista no programa Rádio e Sociedade.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Entrevista na Rádio MEC

NÃO PERCAM! Amanhã de manhã, dia 27/04, às 10h40, AO VIVO a nossa entrevista no programa Rádio Sociedade da Rádio MEC AM, 800 kHz no Rio de Janeiro.
http://www.radiomec.com.br/radiosociedade/sobre/

segunda-feira, 18 de abril de 2011

2 weeks left to enter the globale Rio Film Fest! (April 30 deadline).

Globale creates opportunities for exchange about globalization & aims to identify its impacts in Brazil & Latin America. All genres & international submissions accepted. So get your submissions ready!

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Conceive, Connect, Act

BridgeThink is a creative network and a globale Rio's partner:

BridgeThink is a New Media, Film and Arts initiative that connects creative communities locally and globally.

Through cross-pollination between creative fields, technology, business and education we promote the philosophy that the more we are connected, the more we can achieve.

We invite you to become a BridgeThinker!

Follow us on Twitter @BridgeThink And visit http://www.bridgethink.org/blog/

Conceba, Conecte, Crie


O BridgeThink é parceiro do globale Rio é uma rede muito interessante, vejam:

PensamentoPonte (BridgeThink.org) é uma iniciativa em cinema, artes e novas mídias que conecta comunidades criativas localmente e ao redor do mundo.

Por meio da interdisciplinaridade entre setores criativos, tecnologia, empreendedimentos e educação, nós promovemos a filosofia de que quanto mais conectados estamos, mais nós podemos concretizar.

Convidamos você a se tornar um Pensad@rPonte!

Follow us no Twitter @BridgeThink e visite http://www.bridgethink.org/blog/

sábado, 26 de março de 2011

globale Rio Calls For Entries

What is globalization after all? How do we operate it? With so many questions about the topic and with the objective of promoting films and debates around the issue, the globale festival lands in Rio de Janeiro promising warm discussion. globale was created in Germany in 2003 and today is also present in two other countries - Uruguay and Poland. Its first edition in Brazil, globale Rio 2011, will be held between 22 and 30 August. The event is proposed to show audiovisual works - free of genre and format - in cinemas, schools, universities, film clubs and cultural centers in different parts of Rio de Janeiro and around the capital.

REGISTRATION OPEN until April 30!
Click here to download our Call for Entries.
To access the registration form in English, click here.

Contact us: globalerio@yahoo.com.br

terça-feira, 22 de março de 2011

Até o dia 30 de abril

E pra você que ainda não enviou seu vídeo, as inscrições continuam abertas até o dia 30 de abril de 2011.

Disponibilizamos também a convocatória em inglês e espanhol. ;)

Para acessar a ficha de inscrição, clique aqui. To access the registration form in English, click here. Todo o conteúdo está disponível para download.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Imagens da Biopolítica: vozes de latinoamérica

O Centro Cultural Justiça Federal, o Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal Fluminense e a Arpoador Produções, convidam para


Mostra de 10 filmes documentais sobre o Estado de Exceção na América Latina (e suas reverberações políticas, subjetivas, sociais), e um seminário com três mesas-redondas, abordando os temas:

Memória e Esquecimento: o trabalho do testemunho;

Liberdade de Expressão e Liberdade de imprensa: por uma outra mídia;

Cartografias Revolucionárias: mapas do contemporâneo.

De 16 a 20 de março, no Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF) - Av. Rio Branco, nº 241, no Rio de Janeiro.

Os ingressos para as sessões custam R$1,00. As inscrições para os debates são gratuitas e será oferecido o certificado àqueles que confirmarem a presença nos três debates.

Confira a programação:
imagens-da-biopolitica.blogspot.com

sábado, 12 de março de 2011

10ª Mostra do Filme livre

Começou nesta sexta feira a 10ª edição da Mostra do Filme Livre.

São duas as diretrizes que guiam a Mostra do Filme Livre (MFL): independência e independência. A primeira se refere à linguagem, a uma necessidade de buscar obras ousadas que raramente encontram espaço, mesmo em outros festivais, quanto mais no circuito comercial. A segunda diz respeito à forma de produção, privilegiando filmes sem incentivo fiscal, aqueles feitos na marra por produtores e diretores de todo o Brasil. Pois é juntando independência de um lado com independência de outro que a MFL completa em 2011 uma década de existência, levando, de hoje até o dia 31, 333 filmes para o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio e de São Paulo e para cineclubes de oito estados (programação completa em www.mostralivre.com).

Já em sua origem, a proposta da MFL foi ser democrática. O evento surgiu em 2002 para dar espaço a uma crescente produção em vídeo, com poucas chances de distribuição. Por isso, desde então a mostra aceita a inscrição de qualquer tipo de filme, da película ao digital, do curta ao longa, do velho ao novo.

- A gente aceita todos os formatos, durações, gêneros, aceita até filmes antigos. Isso nenhum outro festival faz - explica Guilherme Whitaker, criador e organizador da mostra. - Nos últimos anos, os festivais maiores acabaram mudando seu perfil, e recebendo filmes feitos com menos grana. Mas isso é uma coisa que a gente já faz há dez anos. Produtoras que estão em voga hoje, como a Teia, de Minas Gerais, ou a Alumbramento, do Ceará, já tiveram trabalhos exibidos com a gente há bastante tempo.

Tem gente fazendo filmes ótimos, mas que não passam em lugar algum. É por causa deles que a mostra existe e se mantém até hoje. Não adianta mandar filme careta que a gente rejeita. Queremos filmes independentes da caretice e também independentes na produção.

Em comemoração à data redonda do aniversário, a MFL 2011 terá um foco na jovem produção brasileira, com uma retrospectiva de filmes que passaram pelo evento e que foram realizados neste início de século. No total, serão exibidas 333 produções, sendo que mais de 90% delas foram rodadas sem verbas de leis de incentivo fiscal.

- Tem gente fazendo filmes ótimos, mas que não passam em lugar algum. É por causa deles que a mostra existe e se mantém até hoje - diz Whitaker. - Não adianta mandar filme careta que a gente rejeita. Queremos filmes independentes da caretice e também independentes na produção. Dane-se se o cara faz um filme com ou sem apoio, a gente não veta nada, mas a ideia é valorizar quem não precisa de verbas públicas para realizar sua obra.

Enquanto no ano passado a MFL reuniu 5.500 pessoas, espera-se o dobro de espectadores para este ano. Será a primeira vez que o evento terá uma perna em São Paulo e nunca antes houve tantas sessões - serão 59 - em cineclubes.

A abertura, marcada para hoje, será restrita a convidados com a apresentação de um vídeo feito especialmente para a MFL pelo artista Christian Caselli e a pré-estreia da nova produção de Nilson Primitivo e Paulo Duarte, "Um inferno sem lazer". Já a partir de amanhã, a mostra vai abrir suas portas ao público, com a projeção do projeto coletivo "Desassossego" (foto), às 19h30m, no CCBB. No sábado, no mesmo local e horário, será a vez de "O céu sobre os ombros", de Sérgio Borges, o vencedor do último Festival de Brasília, chegar ao Rio. Depois, no domingo, novamente às 19h30m e no CCBB, será exibido "Os monstros", novo filme de Luiz e Ricardo Pretti, Guto Parente e Pedro Diógenes, os mesmos diretores de "Estrada para Ythaka".

Além desses, estão na programação "Luz nas trevas", de Helena Ignez, "Legião estrangeira", de Luiz Alberto Rocha Melo, "Chantal Akerman, de cá", de Gustavo Beck, entre outros. Haverá, ainda, debates com os realizadores.

- Neste ano estamos trazendo 18 convidados de outros estados para participar das sessões com o público. Isso vai ser importante para movimentar mais e mostrar para as pessoas o que é um filme livre - afirma Whitaker.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO NO SITE:

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Inscrições abertas

As inscrições para a seleção dos vídeos que vão compor a mostra globale Rio estão abertas até 30 de abril de 2011.

O material audiovisual deverá abordar temas relacionados aos processos de globalização a partir dos seguintes eixos:

  • Territorialidades, meio ambiente e conflito
  • Terrorismo poético
  • Cidade global
  • Ações midiáticas contra hegemônicas
  • Muros e Furos

Para mais informações, leia a convocatória. Para acessar a ficha de inscrição, clique aqui. To access the registration form in English, click here.

Todo o conteúdo está disponível para download.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Globalização ou Globalizações?

Tentando apreender o fenômeno foco do nosso festival, constatamos que a globalização não é uma, mas muitas. Como discutir as suas tantas facetas tornou-se o nosso desafio. Sendo impossível explorar todas as perspectivas em uma única mostra, decidimos que a primeira edição do festival globale no Rio de Janeiro será organizada pelos eixos temáticos abaixo.

Se você tem um filme que discute esses temas, prepare-se porque as nossas inscrições já vêm aí!

  1. Territorialidades, meio ambiente e conflito: O avanço da fronteira de exploração de recursos naturais produz uma série de alterações nas formas de ocupação e uso do espaço, que resulta na desestabilização de formas de produção relativamente autônomas, responsáveis pela conservação da biodiversidade e dos recursos ambientais. Em cada país, tem sido múltiplas as respostas: populações indígenas, comunidades quilombolas, pequenos produtores rurais, pescadores e extrativistas reafirmam e recriam suas identidades, ressignificando seus territórios e colocando em debate o modelo de produção e consumo. Nas cidades, grupos organizados também discutem e enfrentam as conseqüências negativas da degradação ambiental através de ações de solidariedade com populações afetadas e da busca de soluções que questionam o modelo de desenvolvimento capitalista, apresentando alternativas sustentáveis à crise ambiental.

  1. Terrorismo poético: “Entre num banco 24 horas e cuspa fogo. Instale cápsulas alienígenas em praças públicas. Rapte alguém e faça-o feliz”. Terrorismo Poético são formas e expressões de mobilização e difusão de arte, não-violentas, descategorizadas de qualquer estrutura convencional de consumo. O ato induz reflexão sobre todo o processo de integração econômica, cultural, social e política ocorrida com a globalização. Com isso, artistas podem maximizar a noção de liberdade e provocar mudanças de paradigma. Terrorismo poético é arte e ativismo. É transformação social.

  1. Cidade global: O termo Cidade Global surgiu em 1991, na obra da socióloga holandesa Saskia Sassen. O conceito se aplica às metrópoles que são referência para o capital internacional em suas regiões. Os filmes inscritos neste eixo falam tanto sobre as cidades que se encaixam nessa ideia quanto sobre as cidades que sofreram ou estão sofrendo grandes transformações para abrigar megaeventos internacionais - como as sedes da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, e o Rio de Janeiro. Quais são os impactos sobre as populações desses lugares e suas adjacências; quem são os principais beneficiados com esses processos?

  1. Ações midiáticas contra hegemônicas: Iniciativas que questionam a cobertura jornalística da mídia hegemônica, apresentando um ponto de vista alternativo das lutas populares; registros de ações invisibilizadas pela mídia; também registros de iniciativas midiáticas comunitárias, populares, alternativas, livres e/ou radicais no marco da luta pelo direito humano a comunicação.

  1. Muros e Furos: Os filmes deste eixo tratam das barreiras construídas para impedir o fluxo de pessoas entre países ou regiões de conflito de qualquer natureza (militar, econômico, religioso, etc.). Desde a Muralha da China, aos muros de Berlim, Israel/Palestina, EUA/México, os chamados muros da vergonha não são apenas as estruturas físicas. Complexos sistemas legais - e ilegais – para imigração, os muros também atuam como barreiras invisíveis. No entanto, sempre há alguém disposto a furar esses esquemas com muita coragem e criatividade.

Conversas de Rabo de Ouvido

Trecho curioso de uma conversa que ouvi, de "rabo de ouvido", no ônibus hoje:

Passageiro 1: ...pois é, achei bacana a proposta de ouvir as pessoas para elas dizerem o que acham sobre a proibição do véu islâmico em locais públicos, lá na França.
Passageiro 2: Aham, eu não tenho nenhum problema com religião. Pra mim, cada um tem a que quiser.
Passageiro 1: É, aí a pessoa tem que ter bom senso. Quer dizer, a menina vai usar o véu na escola? Nada a ver, né?
Passageiro 2: Claro, o único problema que eu tenho com os muçulmanos é que eles teimam que todo mundo tem que viver COMO ELES. Sabe, te impõem os valores...


¬¬

Roger & Eu

DES-ENCONTRO COM ROGER SMITH, OU O MUNDO GLOBAL VISTO DO LADO DE LÁ

No final da década de 1980, a montadora de automóveis General Motors decidiu fechar suas fábricas nos Estados Unidos para tornar-se "mais competitiva" no mercado. Como consequência, a cidade natal do jornalista Michael Moore, Flint/Michigan, seria devastada e considerada pela imprensa a pior cidade do país para se morar.

Procurando um meio de remediar tal tragédia ou pelo menos uma explicação razoável para ela, Moore passa o filme inteiro (cerca de 1 ano) tentando conversar com o presidente da empresa, Roger Smith.

O primeiro documentário de longa-metragem de Michael Moore estabelece uma lógica de raciocínio que permeia todo o seu trabalho: as perguntas ingênuas são as melhores perguntas! São as mais reveladoras.

Nesse sentido, seu humor trabalha na linha do “se perguntar não ofende...” Assim ele viaja pra onde for necessário para obter respostas para alguns problemas que observa nos EUA. Em Roger & Eu, Michael descobre que a GM está transferido suas montadoras para o México porque lá o custo da mão-de-obra é de centavos de dólar/hora. Mesmo sabendo que isso desempregaria diretamente 30 mil americanos, os executivos da GM declaram que Roger Smith é um ser humano maravilhoso e desejam ao povo de Flint muito boa sorte.

Na festa de Natal da GM, em 1988 ano em que ocorrem as demissões, Smith cita Charles Dickens para transmitir uma mensagem de paz. Engraçado, para quem não sabe, Dickens é o autor do famoso conto Cântico de Natal no qual o empresário sovina Ebenezer Scrooge recebe em sua casa os espíritos dos natais passado, presente e futuro. Qualquer identificação seria mera semelhança?

Em um documentário, a escolha do material que vai entrar na versão final do filme é crucial. Em Roger & Eu, as escolhas de Michael Moore foram muito acertadas. Destaque para a mulher criadora de coelhos – que imagem!

Título Original: Roger & Me
Direção: Michael Moore
País: EUA / Idioma: Inglês
Ano: 1989
Duração: 91 min.

P.S.: Segundo a Wikipédia, a multinacional GM recebeu 13,4 bilhões de dólares do governo americano, no final de 2008 "para resolver seu problema de liquidez" decorrido da crise econômica, "mundial", se vista pelo lado de lá.


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Encontro com Milton Santos, ou O Mundo Global Visto do Lado de Cá

AFINAL, COMO PENSAR A GLOBALIZAÇÃO?
Nós, do globale Rio, estamos tentando alinhavar conceitos em comum para que o grupo possa se subdividir na seleção dos filmes para a edição brasileira de 2011.

Uma das estratégias para a criação desse pensamento compartilhado quanto à globalização é que todos vejam o documentário do Silvio Tendler (2006) sobre o geógrafo brasileiro Milton Santos.

Aqui segue a primeira parte do filme. É possível vê-lo na íntegra pelo youtube.



Título: Encontro com Milton Santos, ou O Mundo Global Visto do Lado de Cá
Direção: Silvio Tendler
País: Brasil / Idioma: Português
Ano: 2006
Duração: 89 min.

Este post foi enviado pela "globaleira" Priscila Maia